Sunday, April 12, 2009

SEXO! FODA! TREPADA! MAIS DE 20 GAROTAS NA CASA ! TEXTO SOBRE SEXO !!!! (Quem sabe assim alguém lê meu blog)

E após uma quantidade de tempo incontável de auto indulgência, permeada de auto flagelação e autopiedade, eis que resolvo procurar um sentido para algo que não sei muito bem o que é. Após chegar a esta conclusão "perfeitamente clara" do que sinto, resolvo recorrer à minha biblioteca invisível (meu subconsciente certamente puxou este conceito de algum livro do Joge LuisBorges), em busca de algo que, se não resolver, ao menos console. Desde que, é claro, não seja algum maldito livro de auto ajuda escrito por um cara chamado Ney Loja, ensinando suas maravilhosas técnicas de vendas.
E eis que, como sempre digo que "tudo é possível, exceto o que não é", encontro um livro de uma garota que resolve viajar para a Ásia para dar. Isso mesmo...Dar, transar, trepar, meter, foder, fazer uga uga, tcheca tcheca na mutcheca, descabelar o palhaço ou fazer-amor-gostosinho-com-meu-benzinho-bebendo-vinho....Como preferir...
Como uma garota precisa ir tão longe apenas atrás de um pouco mais de de diversão ou auto estima, com tantos pênis pseudocarentes ou arrogantemente erguidos por aí? Sei lá.... Normal. Até pq, desde a adolescência, o bom Lobão me ensinou que "o fim do mundo não é nenhum fim do mundo. E se for....descanse em paz".
Enfim...ao começar a ler o tal livro em busca de alguma empatia ou identificação (não com a vontade de dar, que isto fique bem claro, mas com problemas em relação a sexo) tudo que encontro é decepção. Esperando encontrar uma garota que, de alguma forma se sente deslocada ou de outro planeta como eu (no planeta de onde venho não existem frutas, mulheres e carros) o que percebo é uma escritorazinha meia bomba (talvez por isso a ausência de sexo), preconceituosamente reclamando que "assim não dá, assim não pode" apenas pq ainda não encontrou o Brad Pitt na esquina, coçando seu membro ariano, rígido, por cima da calça.
E eis que no momento que descreve que viu um cara na rua que deixou o vão entre suas pernas molhado, não por calor, mas por frio na barriga, constatou que todo gostosão anda com um amigo feio. Apenas para elevar a já elevada auto-estima. E descreve o tal amigo como uma espécie de gorila de óculos, como se o cara tivesse cometido algum crime por não ser o Antonio Banderas mandando a Madonna catar coquinho. Reconheço que nesta hora tive que apertar fortemente a tecla "foda-se" do meu computador cerebral, ao lembrar de mim mesmo, em meus incontáveis rolês com meu ariano amigo Biroca (isso é um apelido, não um adjetivo).
Mas, enfim, o Lobão sabe o que fala...
E me pergunto se os óculos enfeiam pessoas ou se Deus fez os feios ceguetas para não enxergar direito. Neste caso, como diria minha vó, "Deus escreve certo com __________ _________ tortas. Enfim....em meio a tanta elevação de espírito e despreendimento carnal, percebo que... benditas as lentes anti reflexo e as multifocais. E vambora.....
Enfim... não gostei da garota. Gente arrogante se enchendo de autopiedade pq não encontra ninguém à altura é o cúmulo. Como se os "não abençoados" fossem apenas bactérias em seu pequeno mundo perfeito. Meu maior prazer foi constatar que, enfim, o Brad Pitt almejado acabou respondendo pelo nome de....."pepino". Isso mesmo. Esse mesmo. O da feira de sábado. A vingança verde dos nerds...

Falando em vegetais, a Máxima, minha vizinha....aquela....debaixo do viaduto, que cuida de trocentos cachorros, continua insistindo naquela história que preciso comer chuchu. Falou que minha cara anda muito amarela. Ao dizer isso, meu computador cerebral me fez lembrar duas referências da cor. A primeira é o filme Amarelo manga. Mas lá, em dado momento, a referência diz respeito a algo muito mais interessante do que minha cara. A outra é "O menino amarelo", a primeira HQ, lá no início do século XX, a usar o hoje tão conhecido recurso dos balões para expressar a fala. Mas já falei demais. Mesmo sem usar balões, apesar de há muito tempo não ser mais menino (embora muitas vezes ainda esqueça disso). Mesmo que esteja amarelo: falta d chuchu...

Mas, de verdade, o que me falta? O que te falta? Dinheiro ? Poder ? Agradeça se for só isso. Pior seria se fosse saúde. Uma vez, eu me lembro, estive dentro de uma mansão. Parecia um quarteirão. No Brooklin. Casa do tio de uma amiga. Lá dentro só havia ele e a mulher. Um não conseguia encontrar o outro. E todo aquele playground... piscina...sala de fotos....hall de música....Tudo vazio. Tudo sem vida. Tudo ali. Sem uso.
Gosto de livros. Filmes. CDs (ainda gosto, mesmo com mp20, 30, etc, que também uso). Tenho todos que posso imaginar. Tudo ali, na minha mão. Na minha casa pequena. Mas também não sou mais feliz que o tio rico da amiga. Está tudo ali. Tudo inútil. Não posso usar tudo ao mesmo tempo. Quando me lembro de alguns dos momentos felizes da vida, não nego, me lembro que em muitos estava no quarto de algum motel. De manhã. Acordando. E isto não quer dizer que eu esteja me gabando. Que sou o bom. O garanhão. Nada disso. Muito pelo contrário. Em todas essas lembranças estava com a mesma pessoa. E a felicidade não estava no sexo. Mas na consciência de que, naquele instante, não me faltava nada. Nem saúde, nem dinheiro, nem companhia ou privacidade. Nem livros, música ou mansão. NADA. E isso, isso sim é felicidade...


Hoje, segundo a Máxima, me falta chuchu. Mas pepino não, obrigado !!!!!



P.S - Se alguém quiser saber, o livro chama "Aventuras de uma pseudovirgem", Iris Bahr, editora Conrad

1 Comments:

Blogger Bibi said...

Pronto, alguém leu seu texto... mesmo estando procurando por "trepada bandera". Bom, não descobrir o que seria essa expressão, mas me divertir com sua narrativa hehehe.

4:09 PM  

Post a Comment

<< Home